Utilização da técnica de eletrofloculação para o tratamento de efluentes têxteis: uma revisão

  • Leandro Fleck Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Maria Hermínia Ferreira Tavares Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Eduardo Eyng Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Palavras-chave: Corantes Têxteis, Indústrias Têxteis, Eletrodos de Sacrifício.

Resumo

Nos últimos anos o desenvolvimento de atividades industriais tem provocado inúmeros impactos aos recursos naturais. A indústria têxtil gera elevada quantidade de efluente, devido à grande utilização de água em seu processo produtivo, que quando não corretamente tratado deteriora a qualidade da água do curso hídrico receptor. Diante das formas tradicionais de tratamento de efluentes, a eletrofloculação surge como uma técnica inovadora. Tal processo constitui na passagem de corrente elétrica através de uma célula eletrolítica, originando dois processos distintos: eletrocoagulação e eletroflotação. O presente artigo tem como objetivo apresentar uma revisão bibliográfica acerca da utilização da técnica de eletrofloculação para o tratamento de efluentes industriais, com enfoque ao efluente têxtil. A forte coloração é a característica predominante em efluentes têxteis, como conseqüência da utilização de corantes para o tingimento do tecido. Devido a sua toxicidade e baixa biodegradabilidade, a presença de corantes causa inúmeros impactos aos seres vivos, o que justifica a busca por métodos alternativos para remoção desses constituintes. Atualmente não se encontram na literatura muitos estudos relacionados à aplicação da técnica de eletrofloculação para o tratamento de efluentes industriais. O pequeno número de estações de tratamento por eletrofloculação no Brasil torna-se um obstáculo para sua disseminação em grande escala. Entretanto, os resultados positivos alcançados em estudos prévios demonstram que a aplicabilidade da técnica de eletrofloculação será ampliada para o tratamento em grande escala de efluentes provenientes de atividades industriais potencialmente poluidoras.

Biografia do Autor

Leandro Fleck, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Técnologo em Gestão Ambiental; Discente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola; Departamento de ciências exatas e tecnológicas; Endereço: Turisparque, Cascavel, Paraná, Brasil, CEP: 85019030; email: fleckmissal@gmail.com
Maria Hermínia Ferreira Tavares, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Dr; Graduada em Química e Engenharia Química; Docente da UNIOESTE; Departamento de ciências exatas e tecnológicas;Endereço: Rua Universitária, 2069 - CEP 85819-110; email:mhstavar@gmail.com
Eduardo Eyng, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Dr; Engenheiro Químico; Docente da UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Medianeira, Núcleo de Ciências Biológicas e Ambientais; Endereço: Rua Getúlio Vargas, 2230. Bairro Cidade Alta. Medianeira-Pr;
Publicado
2013-12-30
Seção
ARTIGOS