“SOU NEGRA, PONTO FINAL”: A CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA NEGRA FEMININA NA POÉTICA DE ALZIRA RUFINO

Douglas Rodrigues De Sousa

Resumo


Nas últimas décadas, o tema “literatura e identidade” tem ganhado maior notoriedade nos espaços de produção literários e acadêmicos. Isso inclui a renovação e o papel da nova poesia do século XX, em que se destaca o papel da poesia identitária. Vozes dos grupos excluídos da literatura utilizam-na como forma e função social de denúncia e apresentação das temáticas que revelam os preconceitos, lutas, anseios e percalços de quem está posto à margem das ordens estabelecidas. Nesse âmbito, empreendemos neste trabalho a leitura de alguns poemas do livro Eu, mulher negra, resisto (1988) da escritora afro-brasileira Alzira Rufino. Para tanto, percorremos vieses pelos quais a própria poesia da autora nos guiou, como o tema da literatura afro-brasileira, as relações identitárias, a memória negra e os elementos da cultura afro-brasileira. Como arcabouço teórico utilizamos autores como Bhabha (2010), Fanon (2008), Du Bois (1999), Munanga (1988), dentre outros, a fim de embasar a presente discussão.

Palavras-chave: Literatura Afro-Brasileira. Poesia Negra. Identidade. Alzira Rufino.

 

Abstract:

On the last decades the theme “literature and identity” has acquired more notoriety in the areas of literary and academic production. This includes renovation and the function of the new poetry of 20th century, highlighting the poetry of identity. The voices of the excluded groups from Literature use it as social way and function to complain and present the themes that reveal the prejudices, fights, yearnings and difficulties of those who are putted aside of the established orders. In this context, in this study we did read some poetry from the book “I, black woman, resist” (1988) of the Afro-Brazilian writer Alzira Rufino. To do that, we traveled through the trends where the author’s poetry guided us, like the Afro-Brazilian literature, the identity relationships, the black memory and the Afro-Brazilian culture elements. For the theoretical basis of this discussion we used authors like Bhabha (2010), Fanon (2008), Du Bois (1999), Munanga (1988) among others.

Keywords: Afro-Brazilian literature; Black poetry; Identity; Alzira Rufino.


Palavras-chave


Literatura Afro-Brasileira; Poesia Negra; Identidade; Alzira Rufino

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Wlamyra R. de; FRAGA FILHO, Walter. Uma história do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

AUGEL, Moema Parente. A imagem da África na poesia afro-brasileira contemporânea. Revista Afro-Ásia, Salvador, n. 19/20, pp. 183-199, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. SEPPIR. INEP. Diretrizes Curriculares para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura afro-brasileira e africana. Brasília-DF, 2004.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2010.

DU BOIS, W.E.B. As almas da gente negra. Rio de aneiro: Lacerda Editores, 1999.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: UDUFBA, 2008.

LOPES, Ney. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1988.

POLLACK, Michael. “Memória e identidade social”. In: Estudos Históricos, v. 5, n.10, Rio de Janeiro, 1992, pp. 200-2012.

RUFINO, Alzira. Eu, mulher negra, resisto. Santos: Edição da Autora, 1988.

SOUZA, Elio Ferreira. Poesia Negra das Américas: Solano Trindade e Langston Hughes. 2006. 369 f. Tese (Doutorado em Literatura) – Centro de Artes e Comunicação.

SOUSA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

SOUZA, Florentina da Silva. Afro-descendência em Cadernos Negros e Jornal do MNU. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás, deuses iorubas na África e no Novo Mundo. 5. ed. Salvador: Corrupio, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v3i1.129