OS INVESTIMENTOS DIRETOS ESTRANGEIROS NA CHINA E NO BRASIL NOS ANOS DE 1990: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DA SUA EVOLUÇÃO

Lansana Seydi

Resumo


Este artigo analisa a aplicação da teoria da abertura comercial nos países emergentes da Ásia e da América Latina, em especial na China e no Brasil, em um processo de globalização. A aplicação dessa política é feita, diferentemente na China e no Brasil, em função das especificidades de cada país. Essas especificidades são responsáveis pela criação, na China, das Zonas Econômicas Especiais (ZEE) e das Zonas de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (ZDET) para maximizar os Investimentos Diretos Estrangeiros (IDEs). Estes investimentos desempenharam uma função muito importante para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Houve, ainda, o crescimento do comércio chinês gerando a exportação de bens, com ênfase nos produtos tecnológicos. Quanto ao Brasil, a falta de políticas econômicas internas orientadas não resultou como, na China, em um forte crescimento do PIB e do comércio.

 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v1i1.21