APLICAÇÃO DE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EM UM CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Aline Branquinho-Silva, Carlos Manoel Lopes Rodrigues

Resumo


As exigências do mundo do trabalho repercutem cada vez mais forte no meio educacional, principalmente pela demanda crescente de articulação entre o ensino formal e as competências requeridas na vida profissional. No intuito de contribuir nesta temática, o presente trabalho relata a aplicação de um modelo de desenvolvimento de competências no Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Faculdade de Tecnologia Senac-DF. Inicialmente é apresentada uma breve discussão sobre a noção de competência e a sua relação com o processo de ensino e aprendizagem, em seguida descreve-se o modelo teórico que norteou o planejamento e execução de um componente curricular prático. Encerra-se este trabalho com uma apreciação geral da aplicação do modelo, das limitações e perspectivas decorrentes desta experiência. Considera-se que o modelo apresentado e aplicado poderá contribuir para a prática docente, sendo necessária continuidade de estudos para a avaliação do impacto sobre a aquisição e o desenvolvimento de competências.


Palavras-chave


desenvolvimento de competências; metodologia de ensino; educação superior; educação tecnológica

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Resolução CNE/CP 3, de 18 de dezembro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia. Diário Oficial da União, Ministério da Educação, Brasília, DF, 23 de dez. 2002. Seção 1, p. 162.

_____. Ministério da Educação. Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia. Brasília: MEC, 2010.

_____. Ministério da Educação. Portaria nº 212 de 22 de junho de 2012. Brasília: Diário Oficial da União de 25 de junho de 2012, Seção 1, p. 18.

CASTIONI, R. C. Educação no mundo do trabalho: qualificação e competência. São Paulo: Francis, 2010.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF. Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2011-2015. Brasília: FacSenac-DF, 2011.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: qual o sentido? São Paulo: Paulus, 2003.

FIDALGO, N. L. R.; FIDALGO, F.. Refluxos sociais da lógica das competências: o processo de individualização em foco. In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. (Orgs.). Educação Profissional e a Lógica das Competências. Petrópolis: Vozes, 2007, p. 17-70.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educar o trabalhador produtivo ou o ser humano emancipado? Trabalho, Educação & Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 45-60, 2003.

JONNAERT, P.; ETTAYEBI, M.. Currículo e competências. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LE BOTERF, G. Construire les compétences individuelles et collectives. 4. ed. Paris: Édition d’Organisation, 2006.

_____. Professionnaliser: Le modèle de la navigation professionnelle. Paris: Éditions d’Organisation, 2007.

_____. Ingénierie et évaluation des compétences. 5. ed. Paris: Éditions d’Organisation, 2008.

PARMENTIER, C. Ingénierie de formation. Paris: Édition d’Organisation, 2008.

PARMENTIER, P.; PAQUAY, L. En quoi les situations d’enseignement/apprentissage favorisent-elles la construction de compétences? Développement d’un outil d’analyse: le Comp.A.S. Grifed, Louvain, fev. 2002. Disponível em: . Acesso em 15 ago. de 2014.

PERRENOUD, P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

_____. Construindo competências. Entrevista com Philippe Perrenoud, Paola Gentile et Roberta Bencini. Nova Escola, São Paulo, 2000, p.19-31.

ZARIFIAN, P. Objectif compétence. Paris: Éditions Liaisons, 2001.

_____. Le modèle de la compétence. Paris: Éditions Liaisons, 2004.

_____. Compétences et stratégie d’entreprise. Paris: Éditions Liaisons, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v4i2.218