INTERDISCIPLINARIDADE, CONSTRUTIVISMO E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: ELEMENTOS FACILITADORES DO ENSINO DA NANOTECNOLOGIA

Argeu Cavalcante Fernandes

Resumo


As investigações no ensino de ciências apontam a necessidade de estratégias metodológicas coerentes com uma prática pedagógica interdisciplinar e construtivista resultando na formação crítica e reflexiva dos alunos quanto à produção científico-tecnológica. Este artigo tem o objetivo de refletir sobre o papel da educação científica para uma aprendizagem significativa tendo em vista o ensino da nanotecnologia como subsídio à superação de algumas dificuldades encontradas no ensino das ciências. Para tanto, recorreu-se ao levantamento bibliográfico específico na área em estudo e à elaboração de mapas conceituais sobre o tema nanotecnologia. Dentre algumas vantagens da utilização dos mapas conceituais como estratégia para uma aprendizagem significativa, destacou-se a possibilidade de serem utilizados tanto pelos professores na construção de novos conceitos, quanto pelos alunos na organização e sistematização do conhecimento. O caráter interdisciplinar encontrado na nanotecnologia possibilita a construção do saber integrando as áreas do conhecimento científico, como química, física, biologia, química dos materiais e outras. A importância de trabalhar temas como a nanotecnologia no ensino de ciências ainda é vista de forma isolada e restrita a alguns professores que tentam inovar suas práticas docentes. Embora algumas pesquisas ressaltem o interesse em articular a nanotecnologia aos conteúdos do ensino médio, essa proposta encontra muita resistência pelos currículos rígidos presentes na maioria das escolas.


Palavras-chave


Nanotecnologia, Ensino de Ciências, Aprendizagem Significativa

Texto completo:

PDF

Referências


ALFONSO, A. B. Situação atual da divulgação e do treinamento em nanociência e nanotecnologia no Brasil. Revista Interdisciplinaria en Nanociencias yNanotecnología. Coyoacán, México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2011. v. 4. p. 28-34.

CARRETERO, M. Construtivismo e educação. Trad. Jussara Haubert Rodrigues, Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

CARVALHO, A. M. P. de; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

FOUREZ, G. Crise no ensino de Ciências? Investigações em Ensino de Ciências – V8(2), p. 109-123, 2003.

JAPIASSU, H. F. Introdução ao pensamento epistemológico. Rio de janeiro, 4ª ed., 1986.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professor? : novas exigências educacionais e profissão docente. 13ª ed., São Paulo: Cortez, 2011.

_________. Didática e epistemologia: Para além do embate entre a didática e as didáticas específicas. In: VEIGA, I. P. A.; D’AVILA, C. M. (Org.) Profissão Docente: Novos sentidos, novas perspectivas. 2ª ed., Campinas, SP: Papirus, 2012.

MARTINS, I. P.; VEIGA, M. L.; TEIXEIRA, F.; TENREIRO-VIEIRA, C.; VIEIRA, R. M.; RODRIGUES, A. V. e COUCEIRO, F. . Educação em ciências e ensino experimental: Formação de professores. Ministério da Educação, Brasil, 2007.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

NUÑEZ, I. B.; PAULINO FILHO, J.; LIMA, A. de A.. O construtivismo no ensino de ciências da natureza e da matemática. In: NUÑEZ, I. B; RAMALHO, B. L. (Org.). Fundamentos do ensino-aprendizagem das ciências naturais e da matemática: O novo ensino médio. Porto Alegre: Sulina, 2004.

PAULINI DE JESUS, I. e HIGA I. Nanotecnologia e Ensino Médio: uma revisão bibliográfica sobre propostas didáticas. In: IV Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, 2014.

REBELLO, G. A. F.; ARGYROS, M. de M.; LEITE, W. L. L.; SANTOS, M. M.; BARROS, J. C.; SANTOS, P. M. L. dos e SILVA, J. F. M. da. Nanotecnologia, um tema para o ensino médio utilizando a abordagem CTSA. Química Nova Escola, v. 34, p. 3-9, 2012.

RIBEIRO, R. P.; NUÑEZ, I. B.. Pensando a aprendizagem significativa: dos mapas conceituais às redes conceituais. In: NUÑEZ, I. B; RAMALHO, B. L. (Org.). Fundamentos do ensino-aprendizagem das ciências naturais e da matemática: O novo ensino médio. Porto Alegre: Sulina, 2004.

SANNOMIYA, M. ; HONÓRIO, K. M. ; PEREIRA, F. D. . Nanotecnologia: Desenvolvimento de Materiais Didáticos para uma Abordagem no Ensino Fundamental e Médio. Química Nova na Escola, v. 32, n. 2, 2010.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 14ª ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

THIESEN, J. S.. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação (Impresso), v. 13, p. 545-554, 2008.

TOMA, H. E. A Nanotecnologia das Moléculas. Química Nova na Escola, Brasil, v. 21, p.3-9, 2005.

TRINDADE, J. O.; HARTWIG, D. R. . Uso Combinado de Mapas Conceituais e Estratégias Diversificadas de Ensino: uma análise inicial das Ligações Químicas. Química Nova na Escola (Impresso), v. 34, p. 83-91, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v4i2.277