México e Brasil: conformações civilizatórias de similar substrato de supressão e negação dos povos indígenas

Antonio Gomes da Costa Neto, Meire Cristina Cabral de Araújo Silva

Resumo


A proposição central deste ensaio é estabelecer pontos de confluência entre a conformação identitária nacional do México e do Brasil, reconhecendo que na estruturação de ambos subjaz semelhante fundamento de negação e supressão dos povos indígenas, demarcados pela coloniedade, cujo resultado é a mitigação destes como sujeitos políticos. Para isto, a pesquisa se concentra nas ponderações efetuadas por Guilhermo Bonfil Batalla, na obra México profundo: uma civilização negada.  Busca-se extrair, desta produção, a colocação do indígena quando da consolidação da nação mexicana, correlacionando-a às densificações ocorridas quando da formação nacional brasileira.

Texto completo:

PDF

Referências


BONFIL BATALLA, Guillermo. “Segunda Parte”. México profundo: Una civilización negada. México: Debolsillo, 2006 [1987].

BOURDÉ, Guy e MARTIN, Hervé. As Escolas Históricas. Lisboa: Editora Europa-América, 2000.

CALDAS, José. Retratos do Brasil Profundo. São Paulo: Editoras Olhares, 2010.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Amazônia Revelada: os descaminhos ao longo da BR-163. Org. Maurício Torres. Brasília: CNPq, 2005. 496 p.

COSTA, Manoel Fernandes. O descobrimento da América e o Tratado de Tordesilhas. Instituto de Cultura Portuguesa Secretaria de Estado da Cultura Ministério da Cultura e da Ciência. Biblioteca Breve / Volume 46. 1ª edição ― 1979

GUHA, Ranajit; SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Selected Subaltern Studies. New York. Oxford University Press, 1988

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: uma contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC/Rio, 2006.

____. Futuro passado: contribuição a uma semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

PORTELA, Cristiane de Assis. Para além do caráter ou qualidade de indígena: uma história do conceito de indigenismo no Brasil. 273 fl. Doutorado em História. Universidade de Brasília. Brasília, 2011.

RAMOS, Alcida Rita. Indigenism: Ethnic Politics in Brazil. Madison, Wisconsin: The University of Wisconsin Press. 1998, 336 pp.

RIBEIRO, Darcy. “Prefácio”; “Primeira Parte. A civilização ocidental e nós”. As Américas e a Civilização: Formação Histórica e Causas do Desenvolvimento Desigual dos Povos Americanos. 4ª edição. Petrópolis: Vozes, 1983.

SCHNEIDER, Alberto Luiz. Silvio Romero, hermeneuta do Brasil. São Paulo: Annablume, 2005.

SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de, 2003, “Multiculturalismo e direitos coletivos”, em Boaventura de Sousa Santos (org.), Reconhecer para Libertar: Os Caminhos do Cosmopolitismo Multicultural. Rio de Janeiro, Editora Civilização Brasileira, 71-110.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v5i2.313