Modelo de mobilidade estudantil no setor educativo do Mercosul: eurocentrista ou latino-americanista?

Ana Clara Carvalho Machuca Voigt

Resumo


O artigo pretende analisar comparativamente se o modelo de migração voltado para a qualificação a partir da educação superior, que vem sendo adotado pelos estados membros do bloco regional Mercosul (Educativo), é um modelo criativo desenvolvido de acordo com as peculiaridades e necessidades da América Latina ou se se trata de um caso de apropriação subordinada, onde o modelo europeu do Processo de Bolonha vem sendo aprendido e adaptado, configurando transposição de políticas públicas educacionais. Pretendeu-se verificar se existem condicionantes ou exigências feitas pela União Européia ao Mercosul para o caso da apropriação ser subordinada e como a adoção de políticas educacionais transnacionais são incorporadas nas instituições públicas latinas. Para tanto, fez-se necessário localizar temporalmente as políticas de educação de ambos os blocos específicas para a mobilidade estudantil de pessoal - nível superior e pós-graduação, e o retorno a implementação do Setor Educativo do Mercosul e do Processo de Bolonha, apresentando ainda processos históricos para a compreensão da formação do ideário latino americano de desenvolvimento desde a colonização até a compreensão contemporânea. O artigo expõe resultantes obtidas a partir de pesquisa bibliográfica.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Fátima. 2008. “O espaço europeu de ensino superior para uma nova ordem educacional?”. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/etd/ article/view/1699. Acesso em: 17.06.2015.

BASTOS, Carmen Célia Barrados Correia. “O processo de Bolonha no espaço europeu e a reforma universitária brasileira”. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/gsdl/cgi-bin/library.cgi?c=br/br-049&a=d&d=article 1703oai. Consulta em: 16.06.2015.

CASSOL, Daniel. A universidade se universaliza?. Revista Desafios do Desenvolvimento. Ano 9. Nº74. 2012. Capa.: Onde está o desenvolvimento privado?.p.34-39.

DALE, R. The State and the governance of education: an analysis of the restructuring of the State-education relationship. In: HALSEY, A. H. et al. (Org.). Education – culture, economy and society. Nova Iorque: Oxford University Press, 1997, p. 273-282.

FIELDS, Barbara Jeanne. “Slavery, Race and Ideology in the United States of America”. Disponível em: < http://www.ccscambridge.org/sites/default/files/proebuckfiles/3_11_14%20Fields%20race%20and%20ideology%281%29.pdf>

HORTALE, V.; MORA, J. G. Tendências das reformas da educação superior na Europa no contexto do processo de Bolonha. Revista Educação & Sociedade, out. 2004, v. 25, n. 88, p. 937-960. Disponível em:

INEP, 2005. Estudo Analítico-Descritivo Comparativo do Setor Educacional do Mercosul para o período de 1996-2000. Disponível em: http://edu.mercosur.int/pt-BR/documentos-categoria/finish/10-estudos-estudios/382-estudo-analitico-descritivo-comparativo-do-setor-educacional-do-mercosul-1996-2001.html. Consulta em: 25.07.2015.

LIMA, Licínio C.; AZEVEDO, Mário Luiz Neves de; CATANI, Afrânio Mendes. O Processo de Bolonha, a avaliação da educação superior e algumas considerações sobre a Universidade Nova. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v.13, n.1, p.7-36, mar.2008.

MALLON, Florencia. Promesa y dilema de los Estudios Subalternos. En: Rodríguez, Ileana. Convergencia de Tiempos. Estudios subalternos / contextos latinoamericanos. Estado, cultura, subalternidad. Ámsterdam: Rodopi, 2001.

MICAL. Curso de Diásporas Calificadas. Clase 1. La dinámica reciente de la movilidad internacional de personal calificado: enfoques y tendências. Curso Credes. 2012.

PORTUGAL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Processo de Bolonha. Disponível em: http://www.dges.mctes.pt/DGES/pt/Estudantes/Processo+de+Bolonha/Processo+de+Bolonha/>

PRATT, Mary-Louise. "Prefácio"; "Capítulo 1. Introdução: Crítica na zona de contato"; "Parte 2. A Reinvenção da América, 1800-50". Os olhos do império: Relatos de viagem e transculturação. Tradução Jézio Hernani Bonfim Gutierre. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

QUIJANO, Aníbal. “América Latina en la economia mundial” (1993). In: CLÍMACO, Danilo Assis (comp.). Aníbal Quijano: Cuestiones y Horizontes. Antología Esencial. De la dependência histórico-estructural a la colonialidade/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014.

RAMANZINI Júnior, Haroldo; VIGEVANI, Tullo. Autonomia e integração regional no contexto do Mercosul. Uma análise considerando a posição do Brasil em OSAL. Buenos Aires: CLACSO. Año XI, Nº 27, abril. 2010.

SANTOS, Maria Rosimary Soares dos; DONINI, Ana Maria Cambours de. Políticas de integração e internacionalização da educação superior no MERCOSUL Educativo in Políticas educacionais e trabalho Docente: perspectiva comparada. Coleção EDVCERE. Ed. Fino Traço. Belo Horizonte, 2011. Capítulo 5. Págs.91-116.

SIEBIGER, Ralf Hermes. 2010. “O processo de bolonha e os novos espaços transnacionais de educação superior latino-americanos: a universidade brasileira em movimento”. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/gsdl/cgi-bin/library.cgi?c=br/br-047&a=d&d=article82439oai. Consulta em: 20.06.2015.

TEODORO, Antônio. “Os novos modos de Regulação Transnacional das Políticas de Educação: A Regulação pelos Resultados e o papel das Comparações Interacionais”. In: TEODORO, Antônio; JEZINE, Edneide. (Orgs.). Organizações internacionais e modos deregulação das políticas de educação: indicadores e comparações internacionais. Brasília: Liber livro Editora, 2012, p.[17- 34].

Sites consultados:

Site oficial do Processo de Bolonha. Disponível em: www.ond.vlaanderen.be|hogeronderwijs|bologna|. Acesso em: 15-07-2015.

Site oficial do Programa Erasmus Mundus. Disponível em: www.erasmusmundonobrasil.webs.com|programa.html. Acesso em 08.08.2015.

Site oficial do Royal Society.

Disponível em Acesso em: 28.07.2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v5i2.314