My Social Book: instrumento social e virtual de coleta de dados para pesquisas em dança

Diego Pizarro, Ana Carolina de Albuquerque Costa

Resumo


My Social Book é um serviço pago do Facebook que permite que o usuário edite um livro com o conteúdo de páginas dessa rede social. O objetivo geral da pesquisa consiste em investigar o potencial dessa ferramenta como instrumento de coleta e compilação de dados para processos de pesquisa em dança. Os procedimentos metodológicos utilizados agruparam abordagens qualitativas e quantitativas. Foram levantadas e analisadas todas as postagens publicadas na página de um grupo de pesquisa durante dois anos, de 2012 a 2014, e sua devida organização por categorias. Dentre os resultados obtidos, destacam-se sua funcionalidade e a necessidade de interagir de forma sinergética entre a publicação impressa e a virtual para a referida coleta de dados.


Texto completo:

PDF

Referências


ALCARÁ Adriana Rosecler; DI CHIARA Ivone Gerrerio; TOMAÉL Maria Inês, Das Redes Sociais à Inovação, Ci. Inf. Brasília, v.34, n 2, p. 93-104, maio/ago, 2005.

DANTAS, Mônica. A pesquisa em dança não deve afastar o pesquisador da experiência da dança: reflexões sobre escolhas metodológicas no âmbito da pesquisa em dança. Revista da Fundarte, n.13/14, janeiro/dezembro, 2007, pp. 13-8.

FORTIN, Sylvie. Contribuições possíveis da etnografia e da auto-etnografia para a pesquisa na prática artística. Revista Cena, n. 7, 2009, pp. 77-88.

FRANCO, Maria Luisa P. B. Análise de Conteúdo. 2a. edição. Brasília: Liber Livros, 2005.

GRAVATÁ, André. O que a internet esconde de você. Revista Superinteressante. Edição 297, novembro de 2011. Em: http://super.abril.com.br/tecnologia/internet-esconde-voce-647363.shtml site visitado em 15/05/2016.

MARTELETO, Regina Maria. Análise de Redes Sociais; Aplicação nos Estudos de Transferência de Informação. Ciência da Informação, Brasília, v.30, n I, P.71-81, Jan/abril 2001.

MILLER, Peter. Inteligência Coletiva; Teoria dos enxames: formigas, abelhas e aves nos ensinam a lidar com a complexidade do mundo. Revista National Geographic. Edição 88, julho de 2007. Em: http://viajeaqui.abril.com.br/materias/teoria-dos-enxames?utm_source=redesabril_viagem&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_ngbrasil site visitado em 15/05/2016.

PINTO, Álvaro Vieira. O Conceito de Tecnologia. Volume 01. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

SHIRKY, Clay. Lá vem todo mundo: O poder de organizar sem organizações. Tradução: Maria Luiza X. A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

SILVEIRA, Sergio Amadeu, Ciberativismo, Cultura Hacker e o individualismo, Revista USP, São Paulo, n 86, p28-39, junho/agosto 2010.

WEBER, Suzane. Metodologia de inspiração etnográfica em pesquisas de práticas corporais artísticas. Anais do VI Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v5i1.317