Avaliação da eficiência da biorremediação na redução da carga orgânica de estações de tratamento de esgoto: o caso da ETE Neblina em Araguaína/TO

Vinicius do Carmo Terra

Resumo


O acelerado crescimento urbano, associado ao aumento na geração de resíduos, tem causado sérios impactos na qualidade da água. A descarga de efluente doméstico sem o devido tratamento, é responsável pelo aumento considerável da concentração de matéria orgânica (DBO) nos corpos hídricos. O presente trabalho teve como objetivo avaliar, por meio de parâmetros físicos, químicos e biológicos, a eficiência de um sistema de biorremediação (Biorremediador Embralm) no tratamento de efluentes da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Neblina, na cidade de Araguaína - TO, especialmente na remoção da elevada carga de matéria orgânica. Os resultados demonstraram que após a aplicação do biorremediador houve uma melhora considerável no desempenho da estação no que se refere a remoção de poluentes, alcançando níveis de eficiência de até 84% na remoção de DBO. A elevada eficiência do biorremediador, associada a outras vantagens como fácil aplicação e baixo custo (dados não apresentados), tornam a biorremediação uma excelente alternativa para aumentar a eficiência de sistemas de tratamento biológicos como é o caso da ETE Neblina. Entretanto, mais estudos precisam ser executados para confirmar a eficiência e a relação custo x benefício deste tipo sistema. 


Palavras-chave


Saneamento

Texto completo:

PDF

Referências


APHA. American Public Health Association. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 22nd Edition, 2012.

BILOTTA, P.; Lima, A. B. B. V.; Daniel L. A. (2012). Análise de desempenho do carvão ativado e anéis de polietileno em biofiltro aerado para o pós-tratamento de esgoto sanitário. Revista AIDIS de Ingeniería y Ciencias Ambientales: Investigación, desarrollo y prática. Vol.5, No. 2, 37-44, México DF Del. Coyoacán, Mexico.

BRAGA, B.; HESPANHOL, I. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2a. ed ed.São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v5i2.332