Os 'monstros' estão entre nós: problematizações acerca da categoria 'humano' [V-FEPTI]

Elda Coelho de Azevedo Bussinguer, Hiata Anderson do Nascimento, Roseane Vargas Rohr

Resumo


Pensar o sentido da humanidade tem se constituído num dos grandes desafios éticos da contemporaneidade. O objetivo do artigo é discutir os limites da categoria 'humano', a partir da problematização do conceito de 'monstro', uma categoria cultural que nos permite pensar as vidas colocadas fora do campo da inteligibilidade social. Trata-se de uma pesquisa de corte bibliográfico e reflexivo. A discussão sobre os limites da humanidade tem suscitado uma gama de questões que necessitam ser postas em pauta, sob o risco de colocarmos em perigo a eficácia das ações voltadas para a inclusão social. Conclui-se o texto destacando a centralidade da empatia como o afeto que pavimenta o caminho para o reconhecimento da humanidade dos 'monstros'.


Palavras-chave


monstros; humanidade; reconhecimento; empatia; inclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. O que é política? Rio de Janeiro:Bertrand Russel, 2002.

AVELAR, Idelber. Desconstruindo o ‘humano’ em ‘direitos humanos’: vida nua na era da guerra sem fim. In: Revista Estudos Políticos, Número 2 – 2011/01.Disponível em http://revistaestudospoliticos.com/numero-dois/ acesso em 10 janeiro de 2015.

BRESSIANI, Nathalie. Introdução à ‘Autonomia, vulnerabilidade, reconhecimento e justiça’, de Axel Honneth e Joel Anderson. In: Cadernos de Filosofia Alemã. São Paulo: USP, número 17, pp. 71-80.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importam: sobre los limites materiales y discursivos del ‘sexo’. 1º edição. Buenos Aires:Paidós, 2002. 352 p.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Vida precária. In: Revista Contemporânea: Revista de Sociologia da Ufscar, número 1, pp. 13-33. São Carlos/SP, 2011.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra. Quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2015. 288 p.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, Tomaz Tadeu da [org]. Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte:Autêntica, 2000. p. 23-60.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo:Martins Fontes, 2010.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

LEITE JÚNIOR. Jorge. O que é um monstro? Filosofia e ciências [www.filosofia.seed.pr.gov.br], 2007. Acesso em 19 de outubro de 2015.

LEITE JÚNIOR, Jorge. Transitar para onde? Monstruosidade, (des)patologização, (in)segurança social e identidades transgêneras. In: Estudos Feministas, Florianópolis/SC, 20(2):256, maio/agosto de 2012.

MATTIO, Eduardo. Vulnerabilidad, normas de gênero y violência estatal: ontologia social y política sexual en La última Judith Butler. In: Pensamento Plural, Pelotas/RS [07]:159-172, julho/dezembro de 2010.

MATTOS, Patrícia. Axel Honneth: formas de desrespeito social. In: Revista Mente, Cérebro & Filosofia, número 8 – Formação do indivíduo e socialização: Habermas e Axel Honneth. São Paulo:Editora Duetto [s/d].

MELO, Rúriom [org]. A teoria crítica de Axel Honneth: reconhecimento, liberdade e justiça. São Paulo: Saraiva, 2013.

PEIXOTO JÚNIOR, Carlos Augusto. Sobre corpos e monstros: algumas reflexões contemporâneas a partir da filosofia da diferença. In: Psicologia em Estudo, Maringá, volume 15, nº 1, pp. 179-187, jan/mar. 2010.

PELED-ELHANAN, Nurit. Palestine in israeli school books: ideology and propaganda in education. New York: Palgrave USA, 2010.

SILVA, Felipe Gonçalves. Intersubjetividade e conflito: o reconhecimento e seus usos no pensamento político contemporâneo. In: RAMOS, Flamarion Caldeira; MELO, Rúrion; FRATESCHI, Yara. Manual de filosofia política. São Paulo: Saraiva, 2012.

TIBURI, Márcia. Judith Butler: feminismo como provocação. In: Revista Cult, edição especial, nº 6, São Paulo: Editora Bregantini, janeiro de 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v5i2.333