PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES E EDUCADORES SOBRE ALIMENTAÇÃO ADEQUADA E SAUDÁVEL: DIÁLOGOS COM A PROMOÇÃO DA SAÚDE

Olga Maria Ramalho de Albuquerque, Helena Maria Campos, Cleber da Silva Alves, Alberto Mesaque Martins

Resumo


O presente trabalho objetiva analisar percepções de estudantes e educadores de escolas públicas sobre alimentação adequada e saudável, por abordagem qualitativa, observações participantes e brainstorms em 4 escolas públicas de Ceilândia-DF. Como resultados, os participantes discerniram práticas alimentares adequadas e saudáveis sem reflexo na escolha de sua alimentação. As observações apontaram ambiente escolar com acesso facilitado aos alimentos de pouco valor nutricional, elevado teor calórico e ausência de iniciativas centradas no ambiente que possibilitem aos sujeitos realizarem escolhas salutares. Conclui-se que a dinâmica da consulta a esses grupos problematizou a realidade e dialogou com conhecimentos pré-existentes assimilados a partir de suas histórias de vida.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, M. L. M. . Oficinas em Dinâmica de Grupo: Um Método de Casa do Psicólogo. 2002.

ALBUQUERQUE, O. M. R. Relatório do projeto “Revisão sistemática sobre o efeito de intervenções educativas dirigidas a escolares para redução da obesidade infantil como subsídio para intervenção em escolas da Regional de Ensino – Ceilândia, DF”. Brasília, DF: CNPq, 2011.

ALBUQUERQUE, O. M. R.; MESAQUE, A. M.; MODENA, C.; CAMPOS, H. Percepção de estudantes de escolas públicas sobre o ambiente e a alimentação disponível na escola: uma abordagem emancipatória. Saúde e Sociedade, v. 23, n. 2, p. 604-615, 2014.

ALBUQUERQUE, O. M. R.; CAMPOS, H.; ALVES, C.; MARTINS, A. M. A participação de crianças na construção de ambientes saudáveis na escola é uma fantasia ou um sonho possível? CIAIQ, 2016, 2(0).

______. (2016). Estudantes e educadores de escolas públicas: o que eles pensam sobre alimentação? CIAIQ, 2016, 2(0).

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. reimp. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

______. Portaria Interministerial nº 1.010, de 8 de maio de 2006. Institui diretrizes para a Promoção de Alimentação Saudável nas Escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas em âmbito nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 2006. Disponível em: .

______. Lei 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e o Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos de Educação Básica. Brasília, 2009.

______. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: análise de consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro, 2011a.

______. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, 2011b.

______. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília, 2012a.

______. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2012b.

_____. Portaria Nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Brasília, 2014a.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica, 2014b. 156 p.

_____. Política Nacional de Promoção da Saúde Revisão da Portaria no. 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

FITZGERALD, E.; BUNDE-BIROUSTE, A.; WEBSTER, E. Through the eyes of children: engaging primary school-aged children in creating supportive school environments for physical activity and nutrition. Health Promot J Austr, v. 20, n. 2, p. 127-132, 2009.

FLIK, U. Triangulation in Qualitative Research. A Companion to Qualitative Research. London: Sage, 2005. p. 432.

FOSTER, G. D.; SHERMAN, S.; BORRADAILE, K. E.; GRUNDY, K. M.; VANDER VEUR, S. S. NACHMANI, J.; [...] SHULTS, J. A policy-based school intervention to prevent overweight and obesity. Pediatrics, v. 121, n. 4, p. 794-802, 2008.

FREITAS, M. de C. S. de; MINAYO, M. C. de S. Ramos, L. B. FONTES, G. V. SANTOS, L. A.; SOUZA E. C. de; [...] BERNARDELLI, T. M. Escola: lugar de estudar e de comer. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 4, p. 979-985, 2013.

HENRIQUES, P.; SALLY, E. O.; BURLANDY, L.; BEILER, R. M. Regulamentação da propaganda de alimentos infantis como estratégia para a promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 2, p. 481-490, 2012.

JORGENSEN D. L. A Methodolgy for Human Studies. The Methodology of Participant Observation. Thousands Oaks: Sage, 1989. 133 p.

UNKER, B. H.; HUGHES, E. C. Field work: An introduction to the social sciences. Chicago: University of Chicago Press, 1960. 224 p.

LÄNSISALMI, H.; KIVIMÄKI, M.; AALTO, P.; RUORANEN, R. Innovation in healthcare: a systematic review of recent research. Nursing science quarterly, v. 19, n. 1, p. 66-72, 2006.

LEVY, R. B.; CLARO, R. M.; BANDONI, D. H.; MONDINI, L.; MONTEIRO, C. A. Disponibilidade de "açúcares de adição" no Brasil: distribuição, fontes alimentares e tendência temporal. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 15, p. 3-12, 2012.

OSBORN, A. Applied Imagination: The principles and procedures of Creative Thinking. New York: Charles Scribner's Sons, 1967.

SAELENS, B. E.; SALLIS, J. F.; BLACK, J. B.; CHEN, D. Neighborhood-based differences in physical activity: an environment scale evaluation. Am J Public Health, v. 93, n. 9, p. 1552-1558, 2003.

SCHMIDT, M. I.; DUNCAN, B. B.; AZEVEDO E SILVA, G.; MENEZES, A. M.; MONTEIRO, C. A.; BARRETO, S. M.; [...] MENEZES, P. R. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet, v. 377, p. 1949-1961, 2011.

SILVESTRE, C. C.; ALMEIDA, J. V.; CONCEIÇÃO M. H.; ALBUQUERQUE, O. M. R. Análise de promoção das práticas corporais e atividade física pelo Programa Saúde na Escola nas escolas de Samambaia/Distrito Federal. CIAIQ, 2016, 2(0).

SOUZA, L. V.; ORNELLAS, F. H. Avaliação do conhecimento nutricional de indivíduos eutróficos, sobrepesos e obesos e sua associação com o estado nutricional. RBONE – Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 5, n. 26, p. 40-47, 2012.

SWINBURN, B.; EGGER, G.; RAZA, F. Dissecting obesogenic environments: the development and application of a framework for identifying and prioritizing environmental interventions for obesity. Prev Med, v. 29, n. 6, Pt. 1, p. 563-570, 1999.

TAYLOR, R. W.; MCAULEY, K. A.; BARBEZAT, W.; FARMER, V. L.; WILLIAMS, S. M.; MANN, J. I. Two-year follow-up of an obesity prevention initiative in children: the APPLE project. Am J Clin Nutr, v. 88, n. 5, p. 1371-1377, 2008.

TORAL, N.; CONTI, M. A.; SLATER, B. A alimentação saudável na ótica dos adolescentes: percepções e barreiras à sua implementação e características esperadas em materiais educativos. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 11, p. 2386-2394, 2009.

VARKEY, P.; HORNE, A.; BENNET, K. E. Innovation in health care: A Primer. American journal of medical quality: the official journal of the American College of Medical Quality, v. 23, n. 5, p. 382-388, 2008.

XAVIER, V. L.; PEREIRA, J. D. A.; SILVA, M. A.; ZLOCCOWICK, N. M.; ARRUDA, H. A de . Perfil nutricional de merendeiras de escolas públicas do estado de Pernambuco. Nutrire, v. 36 (Suplemento), p. 340, 2011.

YEN, I. H.; SYME, S. L. The social environment and health: a discussion of the epidemiologic literature. Annu Rev Public Health, v. 20, p. 287-308, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v5i3.398