TERRAS DO SEM FIM: UM ROMANCE HISTÓRICO DO CACAU

João Paulo Ferreira dos Santo

Resumo


O presente artigo pretende discutir, a partir das configurações formais e temáticas específicas, o romance Terras do sem fim, de Jorge Amado, publicado em 1943, observando os elementos e os caracteres que marcaram a formação sul baiana e, por extensão, o Brasil contemporâneo ao autor, de modo a perceber uma possível realização de um “romance histórico do cacau”. Para tanto, tomaremos como pressupostos teóricos-metodológicos pensadores como o húngaro György Lukács (2011; 2009) e os brasileiros Antonio Candido (1992) e Caio Prado Jr. (2004), entre outros.  


Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, Jorge. Terras do sem fim. São Paulo: Martins, s/d.

BRANDÃO, Octávio. Agrarismo e industrialismo: ensaio marxista-leninista sobre a revolta de São Paulo e a guerra de classes no Brasil – 1924. 2 ed. São Paulo: Anita Garibaldi, 2006.

CANDIDO, Antonio. Poesia, documento e história. In: ________. Brigada ligeira e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 1992. p. 41-55.

CHAUI, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Perseu Abramo, 2001.

LUKÁCS, György. O romance histórico. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2011.

________. O romance como epopeia burguesa. In: ________. Arte e sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009. p. 193-241.

________. Introdução aos escritos estéticos de Marx e Engels. In: ________. Ensaios sobre literatura. Tradução de Leandro Konder. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. p. 13-45.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

________. Evolução política do Brasil e outros estudos. 9. ed. São Paulo: Brasiliense, 1975.

SOUSA, Antônio Pereira. Tensões do tempo: a saga do cacau na ficção de Jorge Amado. Ilhéus: Editus, 2001.

WATT, Ian. A ascensão do Romance. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Cia. das Letras, 1990. p. 11-33.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v6i1.418