O PERMEÁVEL LIMITE ENTRE O ANIMAL E O HUMANO EM VIDAS SECAS

Beatriz Meneses do Nascimento

Resumo


O presente texto trata da inversão de papéis entre o animal e o ser humano na obra Vidas Secas, de Graciliano Ramos.Para o desenvolvimento da análise, são abordados aspectos da construção literária que, por sua vez, permitirão que aconteça o processo de zoomorfização e de antropomorfização com enfoque em Fabiano e em Baleia, processo decorrente da seca e da vida árida levada pela matilha que compõe a trama.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário de. O movimento modernista. In: ______.

Aspectos da literatura brasileira. São Paulo: Martins, 1974.

BUENO, Luís. Uma História do Romance de 30. São Paulo: Ed. da

Universidade de São Paulo; Campinas: Ed. da Unicamp, 2006.

CANDIDO, A. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos.

São Paulo: Editora 34, 1992.

CANDIDO, A. A personagem do romance. In.: CANDIDO, A. A

personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1998. p. 51-80.

GANCHO, Cândida Vilares. Como Analisar Narrativas. São Paulo:

Ática, 1991.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes. O foco narrativo. São Paulo: Ática,

LINS, Álvaro. Por uma história literária do Brasil e por uma literatura brasileira. In: ______. Filosofia, história e crítica na literatura brasileira: Afrânio Peixoto, João Ribeiro, José Veríssimo, Mário de Andrade, Lúcia Miguel Pereira. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1967.

LINS, Osman. Lima Barreto e o Espaço Romanesco. São Paulo:

Editora Ática, 1976.

NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. 2. ed. São Paulo: Editora

Ática S.A., 1995.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. Rio de Janeiro/ São Paulo: Editora

Record, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v6i1.430