RACISMO INSTITUCIONAL E ARGUMENTOS SOBRE COTAS RACIAIS

Joaze Bernardino Costa, Vanessa Machado

Resumo


Este artigo pretende destrinchar o conceito racismo institucional
e, em seguida, analisar os argumentos contrários e favoráveis às cotas raciais no Brasil por meio das lentes deste conceito. Os debates sobre cotas raciais no Brasil expuseram de modo mais evidente linhas de argumentação sobre as relações raciais no país. Sabe-se que o mito da democracia racial ainda se apresenta como uma forma de leitura das relações raciais, sendo que a luta a favor da implementação de cotas raciais na educação superior é um modo de se contrapor a essa corrente. O artigo faz uma breve revisão bibliográfica sobre o conceito de racismo institucional, em seguida apresenta alguns dos principais argumentos favoráveis e contrários às cotas raciais na primeira década dos anos 2000 e, por fim, discute e reflete como esses argumentos podem ser compreendidos a partir do contexto social brasileiro, estruturalmente racista.


Texto completo:

PDF

Referências


BERNARDINO, Joaze. Ação afirmativa e a rediscussão do mito da democracia racial no Brasil. Estudos afro-asiáticos, v. 24, n. 2, p. 247-273, 2002.

BERNARDINO, Joaze. Ações afirmativas: respostas às questões mais frequentes. O Público e o Privado, n. 3, 2012.

MORAES, Fabiana. No país do racismo institucional: dez anos de ações do GT Racismo no MPPE. Recife: Procuradoria Geral de Justiça, 2013.

SANTOS, Ivair Augusto Alves dos. Direitos humanos e as práticas de racismo. Brasília: Edição Câmara dos Deputados, 2015.

SANTOS, Sales Augustos dos, MORENO, J.V.; BERTÚLIO, D.L. O processo de aprovação do Estatuto da Igualdade Racial, Lei 12288, de 20 julho de 2010. Brasília: INESC, 2011.

SILVA, Vanessa P. M. O processo de formação da Lei de cotas e o racismo institucional no Brasil. Dissertação de mestrado. 2017.

TURE, Kwame & HAMILTON, Charles. Black power: the politis of liberation. New York: Vintage books, 1992.

WERNECK, Jurema et al. Racismo institucional: uma abordagem conceitual. Rio de Janeiro: Instituto Geledés, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v6i2.511