EM DEFESA DE UMA EPISTEMOLOGIA DESTOANTE: NOTAS SOBRE A PERSPECTIVA AFRICANOCENTRADA

Aline Maia Nascimento

Resumo


O presente artigo lança uma reflexão sobre o papel das Ciências Sociais
na formulação de narrativas e epistemes, tendo em vista que o lócus do
saber utiliza-se de ferramentas e aparatos de um sistema anti-negro. Trata-se de uma estrutura rígida que atinge também a academia e que, por vezes, limita e cerceia epistemologias que não dialogam com as hegemônicas. Nesse sentido, não é surpreendente pontuar que saberes africanos ocupem frequentemente lugares subalternos na academia. Neste artigo reunimos experiências, reflexões e propostas de intelectuais africanocentrados que desafiam, em seus escritos, a maquinaria cognitiva e política do mundo social moderno saindo em defesa de uma epistemologia destoante. Ou seja, suas formas de análise e produção intelectual destoam do modelo tido como “exemplar”. Tais intelectuais
têm encontrado nas matrizes epistemológicas consideradas africanocentricas base de inspiração e (re)criação de novas práticas acadêmicas.


Texto completo:

PDF

Referências


AKBAR, N. Ciências Sociais Africentricas para Libertação Humana. Jornal of Black Studies, v. 14, n. 4, jun. 1984, p. 395-414.

ALVES, A. A Legitimação do Intelectual Negro no Meio Acadêmico Brasileiro: Negação de Inferioridade, Confronto ou Assimilação Intelectual?. Afro-Ásia, n. 25-26, 2001, p. 281-312.

ANI, M. Yurugu: An African-Centered Critique of European Cultural Thought and Behavior. Africa World Press; 1994.

ANJOS, J. Território da linha cruzada: a cosmopolítica afrobrasileira. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

ASANTE, M. The Afrocentric Idea. Philadelphia: Temple University Press, 1987.

___________. Kemet, Afrocentricity and knowledge. Trenton: Africa World Press, 1990.

___________. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem

epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 93-

BENTO, M. Branquitude: O lado oculto do discurso sobre o negro. In: Psicologia Social do Racismo Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CARVALHO, J. O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. Revista USP. São Paulo, n. 68, dez./fev. 2005-2006,

p. 88-103.

CLIFFORD, J. Sobre a autoridade etnográfica. In: Gonçalves, José Reginaldo Santos (org.). James Clifford. A Experiência Etnográfica: Antropologia e Literatura no Século XX. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 2002.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FICH III, C. A afrocentricidade e seus críticos. In: Nascimento, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica

inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 167-177.

HOUNTONDJI, P. J. Conhecimento de África, conhecimento de Africanos: Duas perspectivas sobre os Estudos Africanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, mar. 2008, p.149-160.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v6i2.514