O CAVALO DA PALAVRA: O USO DE PROVÉRBIOS NO CANDOMBLÉ E NA CAPOEIRA DA TRADIÇÃO À CONTEMPORANEIDADE

Alan Santos de Oliveira

Resumo


Os legados advindos do continente africano plantados na diáspora, proporcionaram a continuidade de saberes disseminados em grande parte do continente americano. Um destes conhecimentos compreende o uso de provérbios africanos e populares dentro das comunidades tradicionais. No Brasil os provérbios circulam pelas religiosidades negro-africanas, pelo universo da Capoeira, nas comunidades de Quilombos e outras vertentes que influenciam, direta ou indiretamente, experiências e significados da chamada cultura afro. No contexto da oralidade, e também da escrita, percebemos que os provérbios africanos e também universais (de outras origens), encontram abrigo e têm sido preservados no ventre da cultura afrobrasileira.


Texto completo:

PDF

Referências


ABIB, Pedro Rodolpho Jungers. A capoeira e seus aspectos

míticos-religiosos. In: Textos do Brasil n. 14 – Capoeira.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores: Brasília, 2005.

ABREU, Frede, CASTRO, Maurício Barros. Capoeira (Encontros).

Rio de Janeiro: Azougue Editoria, 2009.

ANJOS, Rafael Sanzio A. dos. A geografia do Brasil africano,

o Congo e a Bélgica – Uma aproximação. In: Revista Tempo –

Técnica – Território, V1, N3 (2010), P. 1:24

BRASIL. Ministério da Cultura. Discurso do Ministro da

Cultura Gilberto Gil - Genebra, em 19 de agosto de 2004, na

homenagem ao ano de morte de Sérgio Vieira de Mello. Disponível

em: < http://www.cultura.gov.br/noticias/discursos/

index.php?p=837&more=1&c=1&tb=1&pb=1>. Acesso em:

ago. 2017.

CARNEIRO, Edson. Candomblés da Bahia. São Paulo: WMF

editora, 2008.

CARVALHO, Marcos. Feijoada no Paraíso: A saga de Besouro,

o capoeira. Rio de Janeiro: Record. 2009.

CASTRO Jr., Luís Vítor. Capoeira Angola: olhares e toques

cruzados entre Historicidade e Ancestralidade. In: Revista

Brasileira de Ciências do Esporte Campinas, v. 25, n. 2, p.

-158, jan. 2004.

LEPINE, Claude. Os estereótipos da personalidade no Candomblé

nagô. In: MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de

(Coord.). Olóòrìşà – Escritos sobre a religião dos orixás. São

Paulo: Ágora, 1981.

LIMA, Vivaldo da Costa. A família de santo nos candomblés

jejes-nagôs da Bahia: um estudo de relações intragrupais. Salvador:

Corrupio, 2003.

LODY, Raul. Candomblé – Religião e resistência cultural. São

Paulo: Editora Ática, 1987.

LOPES, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana.

São Paulo: Selo Negro, 2011.

NETO, Nestor Sezefredo dos Passos. (Nestor Capoeira). Capoeira

- a construção da malícia e a filosofia da malandragem

-2010 – Trilogia do Jogador. Vol. 1. 2011.

PAXE, Abreu Castela Vieira dos. O sistema literário angolano

e a tradução semiótica. Brasília, UnB, (2014). (Comunicação

oral).

SANTOS, Maria Stella de Azevedo. Meu tempo é agora. Salvador:

Assembléia Legislativa do Estado da Bahia, 2010.

______. Ọdu Adàjo: Ọfún. Salvador: Assembleia Legislativa

do Estado da Bahia, 2012.

______. Opinião. Salvador: Edições A tarde, 2012.

______. Òşósi - o Caçador de Alegrias. Salvador: Secretaria

de Cultura e Turismo, 2006.

______. Òwé - Provérbios. Salvador: 2007.

SODRÉ, Muniz. Mestre Bimba: corpo de mandiga. Rio de Janeiro:

Manati, 2002.

______. O Terreiro e a Cidade. Petrópolis: Editora Vozes,

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás – Deuses Yorubas na África

e no Novo Mundo. 6ª ed. Salvador: Editora Corrúpio, 2002.

XAVIER, Juarez. O papel decisivo das pesquisas para o conhecimento

dos valores ancestrais afrodescendentes. In: BRAGA,

Maria Lúcia Santana, SOUZA, Edileuza Penha de, PINTO,

Ana Flávia Magalhães. Dimensões da inclusão no Ensino

Médio: mercado de trabalho, religiosidade e educação quilombola.

Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação

Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v6i2.516