A NEGRITUDE E A CENA NO BRASIL

Jonas Sales

Resumo


Este texto propõe-se a fazer um breve percurso e reflexão sobre negritude
e e seus reflexos nas artes cênicas no Brasil. Serão pontuadas desde
do surgimento do termo negritude na França por Aimé Césaire e outras lutas negras pelo mundo, até a presença do negro nas manifestações de artes em teatro, dança e performances no Brasil. Desse modo, as artes cênicas e seus personagens na história do Brasil mostram-se como elemnto fundamental na discussão das lutas e conquistas no que envolve o racismo, preconceito e exclusão
do negro.


Texto completo:

PDF

Referências


DOMINGUES, Petrônio. Movimento da negritude – Uma

breve reconstrução histórica. Mediações – Revista de Ciências

Sociais, Londrina, v. 10, n.1, jan.-jun. 2005.

FERREIRA, Ligia F. Negritude, Negridade e Negrícia – história

e sentido de três conceitos viajantes. Revista Via atlântica,

USP, n. 9, jun. 2006.

FEUSER, Willfriend F. Léon Damas: exploração crítica. Revista

África, v. III, n. 11, ano III, jan.-jun, Lisboa, África editora,

LARANJEIRA, Pires. (Org.) Negritude africana de língua

portuguesa – textos de apoio (1947-1963). Braga: Angelus

Novus, 2000.

MARTINS, Leda Maria. A Cena em Sombras. São Paulo: Perspectiva, 1995.

MENDES. Miriam Garcia. O negro e o teatro brasileiro. Rio

de Janeiro: HUCITEC-IBAC; Brasília: Fundação Cultural Palmares,

MONTEIRO, Marianna F. M. Dança Afro: uma dança moderna

brasileira. Disponível em:

cachuerav02/images/stories/arquivos_pdf/artigomarianna.

pdf>. Acesso em: 30 jul. 2015.

MUNAGA, kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil

de hoje. Col. Para entender. São Paulo: Global, 2006.

SANTOS, Joel Rufino. A História do Negro no Teatro Brasileiro.

Rio de Janeiro: Novas direções, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v6i2.521