Avaliação e Monitoramento de Programas – Propostas para o Pronatec

  • Fabiana Carvalho da Silva Bispo Instituto Federal de Brasilia Universidade de Brasilia

Resumo

A retomada da Política de Educação Profissional ocorreu em um contexto de retomada do crescimento econômico do país onde se demandavam crescentes volumes de mão-de-obra especializada em contraste com um baixo nível de qualificação de parcela majoritária dos trabalhadores brasileiros. Assim, foi instituído, a partir da Lei n. 12.513 de 26 de outubro de 2011, o Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, o Pronatec, com o objetivo democratizar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica a partir de um conjunto de ações aumentando a produtividade e a competitividade do país, com inclusão social. Avaliar o papel do Pronatec, além de verificar, dentre outros aspectos, se o programa em questão contempla as necessidades das pessoas que serão beneficiadas pelo mesmo, qual o grau de participação dos interessados, dentre outros aspectos, é de fundamental importância para se identificar o grau de êxito do mesmo. É necessário verificar em que medida os bens e serviços estão chegando à população-alvo. O objetivo deste artigo é apresentar uma proposição de etapas para a condução do processo de avaliação do Pronatec, bem como trazer contribuições para o debate sobre a avaliação de programas governamentais, especificamente no que concerne ao ensino profissional e técnico no Brasil.

Biografia do Autor

Fabiana Carvalho da Silva Bispo, Instituto Federal de Brasilia Universidade de Brasilia
PROGRAMA DE POS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 13 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22 nov. 2017.

______. Lei nº 12.513, de 26 de outubro de 2011. Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec); Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12513.htm. Acesso em: 22 nov. 2017.

CALMON, Paulo; COSTA, Arthur Trindade Maranhão. Redes e Governança das Políticas Públicas. Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, CEAG/UnB, Brasília, Ano 1, ed. 01, jul. 2013.

CASSIOLATO, Maria Martha M. C.; GARCIA, Ronaldo Coutinho. PRONATEC: Múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à Educação Profissional. Rio de Janeiro: IPEA, 2014. Texto para discussão 1919

CASSIOLATO, Maria Martha. M. C. ; GUERESI, Simone. Como elaborar Modelo Lógico: roteiro para formular programas e organizar avaliação (Nota Técnica). Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA): 2010.

FAUCONNET, Paul. Educação e Sociologia - com um estudo da obra de Durkheim. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

GRINNELL Jr, Richard; GABOR, Peter A.; UNRAU, Yvonne. Program Evaluation for Social Workers: Foundations of Evidence-Based Programs. Oxford: University Press, 2012

KINGDON, John W. Agendas, Alternatives ad Public Policies. Boston: Longman, 2011.

MARK, Melvin M.; GARY T. Henry e JULNES, Gary. Evaluation: An Intergrated Framework for Understanding, Guiding, and Improving Public and Nonprofit Policies and Programs. San Francisco: Jossey-Bass - A Wiley Company, 2000.

MCLAUGHLIN, J. e JORDAN, G. Using Logic Models. In: J. S. Wholey; H. P. Hatry e K. E. Newcomer (Eds.), Handbook of Practical Program Evaluation (pp. 55-80), San Francisco: 2010.

OSKAMP, Stuart; SCHULTZ, P. Wesley. Applied Social Psychology. Washington, D.C. Prentice-Hall, 1998.

ROSSI, Peter H; FREEMAN, Howard E. Evaluation: a systematic approach. 7th ed. California: Sage Publications Inc., 2004.

RAWLS, J. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. 29ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005

RUA, Maria das Graças. Estado, Governo e Administração Pública e a questão social brasileira. Brasília: Ministério da Fazenda, Escola de Administração Fazendária – ESAF, 2000.

SAVIANI, Dermeval. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

SCHNEIDER, Volker. Redes de políticas públicas e a condução de sociedades complexas. Civitas, Porto Alegre, vol.5, nº 1, jan/jun, 2005, p.29-58.

SHADISH Jr, William R., Thomas D. COOK e Laura C. LEVITON. Foundations of Program Evaluation: Theories of Practice. Thousand Oaks: Sage Publications, 1995.

STUFFLEBEAM, Daniel L. The CIPP Model for Evaluation. In: Stufflebeam, D; Madaus, G; Kellaghan, T. (eds). Evaluation Models. Kluwer Academica Publishers: Boston, 2000. pp. 279-317.

VEDUNG, Evert. Public Policy and Program Evaluation. Transaction Publishers: New Jersey, 2000.

WEISS, Carol H. Investigación Evaluativa: Métodos para determinar la eficiência de los programas de acción. Prentice-Hall. Nova Jersey, 1975

WHOLEY, J.S; HATRY, H.P. NEWCOMER, K.E. Handbook of Practical Program Evaluation. 3rd.ed. San Francisco: Jossey-Bass WILEY, 2010.

WITTACZIK, Lidiane Soares. Educação Profissional no Brasil: histórico. E-Tech: Atualidades Tecnológicas para Competitividade Industrial, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 77-86, 1º. sem., 2008.

Publicado
2019-12-17
Seção
ARTIGOS