Formação Docente em Licenciatura Química: uma visão geral dos primeiros passos.

  • Viviane Maciel da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense, Câmpus Pelotas - Visconde da Graça Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Maira Ferreira Universidade Federal de Pelotas - UFPel/PPGECM Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS/PPGQVS

Resumo

Este texto foi produzido na observação dos dois primeiros estágios supervisionados do curso de Licenciatura em Química do IF***-Câmpus***, cujo objetivo foi indagar sobre o perfil das pessoas que ingressam neste. Buscaremos observar como se deslocam os protagonistas imersos nos processos formativos, perceber como as IES contribuem para a escolha e permanecia na carreira profissional. O grupo de oito discentes, foi acompanhado nas atividades, a partir do quinto semestre letivo. No percurso metodológico utilizamos a pesquisa-intervenção, onde o pesquisador observa planos de desvios coletivos, da ordem da subjetivação, na tentativa de compreender desejos, perceber e movimentar pensamentos, sem generalizar as experiências. Foi possível perceber que a docência não admite cenários fechados ou proposições estanques, as Instituições se reformulam conforme legislações e necessidades da contemporaneidade, mudam também os perfis dos que delas se aproximam. Mas, ratificam-se os compromissos em tornar a formação inicia mais eficiente aos futuros educadores.

Biografia do Autor

Viviane Maciel da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense, Câmpus Pelotas - Visconde da Graça Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora da área de Biologia e Química - IFSul/CaVGDoutoranda em Ensino de Ciências - UFRGS/PPGQVSPesquisadora na área de formação docente e contemporaneidade
Maira Ferreira, Universidade Federal de Pelotas - UFPel/PPGECM Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS/PPGQVS
Professora da área de Ensino de Química - UFPelProfessora colaboradora - UFRGS/PPGQVSPesquisadora na área de formação docente e contemporaneidade

Referências

BRASIL, M. d. (2006). Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Pedagogia. (D. M. Brasília, Ed.) Fonte: Conselho Nacional de Educação: http:/www.mec.org.br

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: 34. 3ª edição. Tradução PRADO JR, B.; MUÑOZ, A. A. 2010.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta. 1998.

FONSECA, NASCIMENTO, MARASCHIN, Pesquisar na diferença um abecedário. Sulina, Porto Alegre, 2015. P. 81-83,101-103, 209-210)

HEINEM, I. V.; HEINEM, I. L. As Filosofias da Diferença de Nietzsche e de Deleuze: para construir outros modos. Linha Mestra, São Paulo, v. 23, n. ago/dez, p. 240 252, 2013.

ILHA, F. R.,; KRUG, H. N. O Desafio de ser Professor no Estágio Curricular Supervisionado Durante a Formação Inicial em Educação Física. Revista Digital Buenos Aires, (123). Fonte: http://www.efdeportes.com(2008, ano 13).

MORIN, E. (2008). Cabeça bem feita: pensar a reforma, reformar o pensamento (2ª edição ed.). São Paulo: Bertrand Brasil.

NASCIMENTO, F. S., & CABRAL, C. L. (2010). Formação Inicial e a Prática Pedagógica do Professor dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/VI.encontro.2010/GT.3/GT_03_11_2010.

NUNES, C. M. (abril de 2001). Saberes Docentes e Formação de Professores: um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação & Sociedade(XXII).

ROLNIK, S. (2014). Cartografia Sentimental: Transformações Contemporâneas do Desejo, 2 ed. Porto Alegre: Sulina.

SEIXAS, M. L. (2006). A práxis nossa de cada dia: significados da experiência refletida e da reflexão experienciada. Dissertação de Mestrado. Bahia: Programa de Pós Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia.

ZABALA, A. (1998). A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed.

Publicado
2019-12-17
Seção
ARTIGOS