Práticas educativas inclusivas em espaço não-formal de ensino da Associação de Pais e Amigos-Anápolis

  • GLAUCIA TOMAZ MARQUES PEREIRA Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás http://orcid.org/0000-0002-3373-2385
  • KARLA RODRIGUES MOTA Instituto Federal de Ciência Educação e Tecnologia de Goiás
  • PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA SANTOS Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás
  • CLAUDIA HELENA DOS SANTOS ARAUJO Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás
Palavras-chave: Práticas Educativas, Inclusão, Trabalho como Princípio Educativo

Resumo

Esse escrito tem como tema as práticas educativas inclusivas em espaço não-formal de ensino na perspectiva da formação omnilateral e integradora do trabalho. O objetivo é identificar se a categoria trabalho é utilizada como um princípio educativo no Programa Formação Inicial para o Trabalho da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais-Anápolis. Trata-se de uma pesquisa de caráter qualitativo, estruturada nas etapas de visita e observação in loco; entrevistas semiestruturadas; registros de imagem e vídeo e catalogação das fontes documentais. A partir da vivência experimental observou-se que as práticas educativas do programa em investigação compreendem o ensino não-formal; permitem ao estudante participar do processo produtivo como um todo, retomando a face ontocriativa do trabalho; bem como corroboraram para a inclusão em atividades primárias do mundo do trabalho.Palavras-chave: práticas educativas, inclusão, trabalho como princípio educativo.

Biografia do Autor

GLAUCIA TOMAZ MARQUES PEREIRA, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás
Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal de Goiás, com previsão de término em 2019. Especializada em Neuropsicopedagogia e Psicomotricidade pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2014). Pós-graduada em Artes pela Faculdades Integradas de Jacarepaguá (2009), graduação em Musicoterapia pela Universidade Federal de Goiás (2005) e graduação em Música Sacra pela Faculdade Teológica Batista de Brasília (2000). Atualmente atua como Musicoterapeuta no CER III Intelectual, unidade da APAE, Anápolis-GO. Tem experiência na área de Educação Inclusiva, Artes e Saúde com ênfase em Musicoterapia e Regência Coral, atuando principalmente nos seguintes temas: musicoterapia, música, regência coral, canto, ensino e musicografia.
KARLA RODRIGUES MOTA, Instituto Federal de Ciência Educação e Tecnologia de Goiás
Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, com pesquisa financiada pela FAPEG. Possui graduação em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (2017) e graduação em Química Industrial pela Universidade Estadual de Goiás (2012). Associada à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação/ANPEd. Membro Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas Panecástica - Homem, Trabalho e Educação Profissional Tecnológica. Membro do Grupo de Pesquisas Kadjót - Grupo Interinstitucional de Estudos e Pesquisas sobre as relações entre as Tecnologias e a Educação. Atualmente é professora da Educação Básica - Secretaria de Estado de Educação do Estado do Mato Grosso. Tem experiência na área de Educação atuando principalmente nos seguintes temas: educação profissional, ensino e trabalho.
PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA SANTOS, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás
Possui graduação em Filosofia pela FUNDACAO SAO MIGUEL ARCANJO (2013). Atuou como professor assistente da Faculdade Evangelica de Goianesia, ministrando Filosofia Geral e Filosofia Jurídica. Atualmente é professor assistente da Faculdade Serra da Mesa em Uruaçu-GO, onde também atua como coordenador de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia da Educação e Filosofia Jurídica. Atuou no Jornal O Universitário entre julho de 2008 e dezembro de 2015, editor a partir de junho de 2010 Cursando Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica pelo IFG - Anápolis
CLAUDIA HELENA DOS SANTOS ARAUJO, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás
Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC - Goiás). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Goiás/UEG (2001) e especialização em Metodologia do Ensino Superior, pela mesma universidade (2005). É mestre em Educação pela Pontíficia Universidade Católica de Goiás/PUC-Goiás (2008). É associada, desde 2007, à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência/SBPC e à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação/ANPEd. Atua como parecerista do comitê científico da Revista Brasileira de Política e Administração da Educação (RBPAE); Revista Portuguesa de Educação do Centro de Investigação em Educação do Instituto de Educação da Universidade do Minho; Revista Principia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba e da Revista Retratos da Educação da Escola de Formação da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação). Profissionalmente, é Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) - Dedicação Exclusiva - e Pesquisadora. Atua como membro do Colegiado Docente do Programa de Pós-Graduação - Mestrado Profissional em rede em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) do Instituto Federal de Goiás. Integrante de pesquisa financiada pelo CNPq Edital Universal 2016. Possui Projeto de Pesquisa aprovado pelo Cadastro de Projetos de Pesquisas (CPP) do IFG (2016-2019). Tem experiência na área de Educação e Ensino, com ênfase em Educação e Tecnologia, Aprendizagem Escolar, Educação Profissional e Tecnológica, Teorias da Educação e Processos Pedagógicos, Docência e Estágio Supervisionado, Educação Básica e Superior, Educação a Distância, Didática e Formação de Professores. Membro do Núcleo Docente Estruturante (Licenciatura em Química) - IFG Anápolis. Membro do Kadjót- Grupo Interinstitucional de Estudos e Pesquisas sobre as relações entre as tecnologias e a educação. Membro do grupo de pesquisa Teorias da Educação e Processos Pedagógicos (PUC Goiás) e do Grupo de Estudos e Pesquisas Panecástica - Homem, Trabalho e Educação Profissional Tecnológica.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. Trad. Maria Inês Côrrea Nascimento. 5.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2014.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negociação do trabalho. 1.ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

APAE. Escola. 2017. Disponível em: https://www.apaeaps.org.br/escola. Acesso em 27 de março de 2018.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social. Instituto Nacional do Seguro Social. Benefício assistencial ao idoso e à pessoa com deficiência (BPC). 27 de junho de 2018. Disponível em: https://www.inss.gov.br/beneficios/beneficio-assistencial-ao-idoso-e-a-pessoa-com-deficiencia-bpc/. Acesso em: 08/08/2018

CIAVATTA, Maria. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. Trabalho Necessário. 2005, Ano 2. Disponível em file:///D:/Dados/Edmo/Downloads/A%20FORMA%C3%87%C3%83O%20INTEGRADA.pdf. Acesso em 27/03/2018.

DOMINGOS, M. A. A escola como espaço de inclusão: sentidos e significados produzidos por alunos e professores no cotidiano de uma escola do sistema regular de ensino a partir da inclusão de alunos portadores de necessidades educacionais especiais. Dissertação. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2005

GOMES, A L., FERNANDES, A. C., BATISTA, C. A. M, SALUSTIANO, D. A., MANTOAN, M. T. E., FIGUEIREDO, R. V. Atendimento Educacional Especializado: deficiência mental. In: Secretaria de Educação Especial e a Secretaria de Educação a Distância. Universidade Federal do Ceará. SEESP/SEED/MEC. Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dm.pdf. Acesso em 27 de março de 2018.

Moura, D. H. Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Holos, ano 23, vol. 2, 2007

KUENZER, Acácia Zeneida. Pedagogia da Fábrica: As relações de produção e a educação do trabalhador. São Paulo: Cortez, 1995.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANACORDA, M. A. Marx e a formação do homem. Revista HISTEDBR On-line, número especial, abr. 2011, p. 6-15. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639891>. Acesso 28 mar. 2017.

MATURANA, A. P. P. M.; MENDES, E. G. Inclusão e deficiência intelectual: escola especial e comum sob a óptica dos próprios alunos. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 66, p. 209-226, out./dez. 2017

RAMOS, M. N. (2009). Concepção do ensino médio integrado. In: Araújo, R; E. Teodoro, E. (Orgs). Ensino Médio Integrado no Pará como Política Pública Belém, PA: SEDUC-PA, 2009, p. 144-182.

RAMOS, M. Concepção do ensino médio integrado. In: Seminário sobre Ensino Médio. Superintendência de Ensino Médio da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, Mossoró, 14 a 16 de agosto de 2017. Secretaria de Educação do Paraná, incorporado o Debate realizado no Seminário promovido pela Secretaria de Educação do Estado do Pará 08 e 09 de maio de 2008. Disponível em: https://tecnicadmiwj.files.wordpress.com/2008/09/texto-concepcao-do-ensino-medio--integrado-marise-ramos1.pdf. Acesso em: 28 de novembro de 2017

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, jan./abr. 2007.

Publicado
2019-05-23
Seção
ARTIGOS