Alguns des(contextos) dos gêneros miméticos

  • Najla Fouad Saghie IFB -Instituto Federal de Brasília

Resumo

O processo de leitura tem sido estimado por níveis de conteúdo desde o Classicismo. As classes sociais, até o Romantismo, eram definidas pela erudição das obras lidas. Em contrapartida, com a revolução científica deste século, foi possível considerar como leitura tudo aquilo que faz parte do universo dos leitores/consumidores de informação, com isso a indústria tipográfica perdeu espaço para essa nova modalidade comunicativa. Os novos gêneros textuais em parceria com os seus maiores meios de propagação – redes sociais – despontam como uma abordagem ostensiva desprovida dos rigorosos moldes de revisão, mas que consideram o mundo do leitor e a sua realidade. Ampliou-se o sentido do conceito de texto com o que se verifica nos elementos da multissemiose como os posts, chats, tweets, memes, gifs entre outros gêneros. Nesse sentido, este trabalho se propõe a defender essa multimodalidade como instrumento de estudo de interpretação textual crítica e ativa.

Biografia do Autor

Najla Fouad Saghie, IFB -Instituto Federal de Brasília
Doutoranda em Ciência da Educação: Literacias e Ensino do Português na Universidade do Minho em Portugal, mestra em Cultura Visual pela Universidade Federal de Goiás, especialista em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Uberlândia, graduada em Letras pela Universidade do Estado de Minas Gerais. Área de atuação: Linguística, revisão de texto, produção textual e gramática. Corretora de redações pelo Cespe-UnB. Professora de graduação e pós-graduação nas áreas de Linguística, Língua Portuguesa; Produção e revisão textuais. Experiência como professora de gramática e redação para o ensino médio em escolas particulares. Pesquisadora da imagem como fonte de informação e cultura visual. Realizou inúmeras publicações em eventos nacionais. Membro do grupo de pesquisa "O Leitor: da leitura à literatura - IFB" cujo link é http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6719702300782374. Apresenta domínio da língua inglesa.

Referências

BAKHTIN, Michael. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina G. G. Pereira. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BARTHES, Roland e COMPAGNON, Antoine. Leitura. Enciclopedia Enaudi V.1/uu1 (Oral/Escrito). Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1987.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

COSTA VAL, M. G. F.. Texto, textualidade e textualização. Pedagogia Cidadã – Cadernos de Formação Língua Portuguesa, Unesp – São Paulo, v. 1, p. 113-124, 2004.

DIONISIO, A. P.. “Multimodalidade discursiva na atividade oral e escrita (atividades)”. In:MARCUSCHI, L. A.; DIONISIO, A. P. (orgs.). Fala e Escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

FERRAZ, Janaína de Aquino. Gêneros multimodais: novos caminhos discursivos. In: Anais do VIII Encontro Nacional de Interação em Linguagem Verbal e Não Verbal, 2008. São Paulo: FFLCH-USP, 2008.

KOCH, I.G.V. e Travaglia, L.C. A Coerência Textual. São Paulo: Contexto. 1990.

LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. 3 ed. São Paulo: Editora Ática, 1999.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 1993.

MANGUEL, Alberto. Ordenadores do universo. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MEYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

PEREIRA, Vera Wannmacher. Predição leitora e inferência. In: CAMPOS, J. (9orgs) Inferências Linguísticas nas Interfaces. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2009.

SCHAPOCHNIK, Nelson. Malditos tipógrafos. In: Aleídes Freire Ramos et ali (org.s). Imagens na História. São Paulo: Edusp, 2008.

SCHERER-WARREN, I. Redes de movimentos sociais na América Latina: caminhos para uma política emancipatória? Cad. CRH, Salvador: UFBA, v. 21, n. 54, p. 505-517, 2008.

SPREGELBURG, Roberta Paula. Que se puede ler na escuela? El control estatal del texto escolar (1880-1916). In: Hector Rubén Cucuzza (dir.). Para uma história de la lectura y escritura em Argentina. Buenos Aires: Mini y Dávila, 2004.

Publicado
2019-12-17
Seção
ENSAIOS