O ALUNO E O PAPEL DO PROFESSOR NO CONTEXTO TECNOLÓGICO CONTEMPORÂNEO

LUIZ HENRIQUE R. LOURENÇO, GABRIELA MACIEL CARNEIRO

Resumo


O presente estudo tem como objetivo destacar o perfil do aluno e do professor no contexto tecnológico contemporâneo. Ademais, pretende-se descrever o perfil do aluno e as implicações da atuação do professor frente a essa nova realidade. O estudo também é um paralelo entre o professor do contexto tecnológico atual e o professor dos hábitos passados e o aluno de ontem e hoje. Destacam-se, ainda, as formas de atuação e a perspectiva atual e futura da educação frente às mudanças integradas pelo uso maciço das novas tecnologias na atualidade. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e de campo. A natureza da pesquisa foi quali-quantitativa, e o instrumento utilizado foi um questionário com questões objetivas e discursivas, com a finalidade de buscar conhecimentos sobre os panoramas citados anteriormente e estabelecer comparativos acerca da realidade suposta. A pesquisa foi realizada em três escolas da rede pública da cidade de Ceilândia, Distrito Federal, nos anos iniciais e nos anos finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. Os resultados demonstraram que, apesar das claras diferenças e demandas que cada um dos níveis de ensino exige dos alunos e professores, os dados obtidos são bem semelhantes com relação à formação, às perspectivas dos professores e às necessidades dos alunos frente à realidade tecnológica em que a escola, reflexo imediato da sociedade, está imersa. Os dados revelam, ainda, que a escola contemporânea precisa adequar com urgência a sua realidade, pois o mundo exige novas formas de relações.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília: 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2018.

______. Lei nº 9.394 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: 1996. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2018.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: 1997. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2018.

______. Plano Nacional de Educação. Brasília: 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2018.

BRITO, G. D. S.; PURIFICAÇÃO, I. Educação e novas tecnologias: um repensar. Curitiba: InterSaberes, 2012.

CHAGAS, A.; BRITO, G. S.; KLAMMER, C. R. O conceito de tecnologia: pressupostos de valores culturais refletidos nas práticas educacionais. PUC-PR, 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2018.

DISTRITO FEDERAL. Plano Distrital de Educação. Brasília: 2015. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2018.

FRISON, V; LAZZARI, M. B; SCHWABENLAND, F. P; TIBOLLA, F. R. C. A formação de professores e as tecnologias digitais. Paraná: 2015. Disponível em; . Acesso em: 24 jun. 2018.

GADOTTI, M. Boniteza de um sonho: ensinar-e-aprender com sentido. Novo Hamburgo-RS: Feevale, 2003.

MERCADO, L. P. L. Formação Docente e novas tecnologias. IV Congresso RIBIE. Brasília: 1998. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2018.

PRENSKY, M. Nativos Digitais, Imigrantes Digitais. NBC Uni. Pres. Goiás, v. 9, p. 1-6, 2001.

SANTINELLO, J. Ensino Superior em Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs): formação docente universitária em construção. Curitiba: InterSaberes, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v8i3.642