TRANSVALORAÇÃO DO CORPO DOCENTE: NOVAS ABERTURAS EM TEMPOS DE IMERSÃO TECNOLÓGICA

DIOGO CANHADAS

Resumo


Este artigo visa contribuir com a discussão acerca da inclusão digital na educação demonstrando que esta pode produzir uma educação libertária e superar discussões de senso comum que incorporam a tecnologia como um mal em si ou um bem em si. Dirigimos nossa atenção para a tecnologia como ferramenta ou ponto de partida para a emancipação de estudantes por meio da educação.


Texto completo:

PDF

Referências


DEMO, Pedro. “Tecnofilia” & “Tecnofobia”. Boletim Técnico do Senac: a Revista da Educação Profissional, Rio de Janeiro, v. 35, n. 1, jan./abr. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

SÃO PAULO (Estado). Lei Estadual nº 12.430/07, dispõe sobre uso de celulares em sala de aula. Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, SP, 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2017.

SANTAELLA, Lucia. Gêneros discursivos híbridos na era da hipermídia, Bakhtiniana, São Paulo, 9 (2): 206-216, ago./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bak/v9n2/a13v9n2.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

______. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

VALENTE, José Armando. Uso da Internet em sala de aula. Educar em Revista. Curitiba, n. 19, p. 131-146, 2002. Ed. UFPR. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v8i3.643