ACESSIBILIDADE, COMUNICAÇÃO E INTERAÇÃO: APRENDIZAGEM DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO CAMPUS TAGUATINGA-IFB

GIRLANE M. FERREIRA FLORINDO, SUELLEN NETO PIRES MACIEL

Resumo


Este trabalho fundamenta-se nas reflexões acerca dos direitos humanos no contexto da diversidade cultural, cuja proposta metodológica é a da pesquisa-ação, pois, por mais válida que seja a reflexão e a discussão, é fundamental que ações concretas e interventivas sejam realizadas no chão da escola. Assim, partindo do pressuposto de que a conscientização é a melhor via de propagação dos direitos humanos e, no caso do sujeito surdo, seu direito à/de comunicação em sua língua natural, essa proposta buscou trabalhar com os alunos de Ensino Médio de forma que se interessassem pela Língua de Sinais e se apropriassem dela como condição primeira para a interação com alunos surdos de mesma idade – os alunos da Escola Bilíngue de Taguatinga. Em um segundo momento, avaliou-se se houve a conscientização desses alunos ouvintes sobre a língua e a cultura do outro, do surdo. Com base nessa reflexão, os próprios alunos nos surpreenderam com uma nova proposta de intervenção: pleitear junto à gestão do Campus Taguatinga, do Instituto Federal de Brasília, a inclusão para 2016 da Língua de Sinais no currículo do Ensino Médio, acreditando que esse é o caminho para a ampliação da acessibilidade do sujeito surdo no espaço educacional e/ou na sua interação em outros ambientes sociais. 


Texto completo:

PDF

Referências


BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

BORTONI-RICARDO, S. M. Tem a sociolinguística efetiva contribuição a dar à educação? Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística & educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em:

GESSER, A. Libras?: que língua é essa?: crenças e preconceitos em tono da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FERREIRA-BRITO, L. Integração social e educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel, 1993.

KLEIMAN, C. A.; BUZAR, E. A. S. A. Visibilidade do aluno surdo em classes inclusivas: discussões e reflexões. Revista Espaço: Instituto Nacional de Educação de Surdos, Rio de Janeiro: 2012.

LACERDA, C. B. F. A inclusão escolar dos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cadernos CEDES, Campinas, v. 26, n. 69, p. 163-184, 2006.

LAKATOS, E. M; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1986.

LODI, A. C. B. Plurilinguismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 409-424, set./dez. 2005.

SOUZA, J. F. Atendimento aos estudantes com Deficiência Visual na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. In: Ação TEC NEP – Humanizando a Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: dezembro, 2010. p. 37-40.

QUADROS, R. M. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de Sinais Brasileira. Porto Alegre: Artmed, 2004.

QUADROS, R. Aquisição de L2: o contexto da pessoa surda. II Seminário Internacional de Linguística, 19 a 23 de agosto de 1996. Anais... Instituto de letras e Artes. EDIPUCRS. Porto Alegre, 1999.

______. Aquisição de L1 e L2: o contexto da pessoa surda. Seminário: Desafios e Possibilidades na Educação Bilíngue para Surdos, 21 a 23 de julho de 1997. Anais...

______. Aquisição da linguagem em crianças surdas. Disponível em: . Acesso em: jul. 2015.

PACHECO, E. Um novo momento da educação profissional brasileira. Disponível em: . Acesso em: set. 2015.

SKLIAR, C. (Org.) A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.______. A educação e a pergunta pelos Outros: diferença, alteridade, diversidade e os outros “outros”. Pontos de Vista [online], 2003a, n. 5, p. 37.




DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v8i3.645