EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA SURDOS NO IFB: UMA PROPOSTA POSSÍVEL?

Alessandra do Carmo Fonseca, Girlane Maria Ferreira Florindo

Resumo


Este artigo se propôs a discutir a educação profissional de alunos surdos no Instituto Federal de Brasília, assim buscou-se verificar que ações estão sendo realizadas para que esse aluno tenha garantido o acesso e a permanência na escola. Nosso país é signatário da Declaração de Salamanca (1994) documento que se constitui como uma das mais importantes referencias internacionais no campo da educação especial e proclama a educação inclusiva como princípio norteador da educação para todos. Nesse sentido, a educação inclusiva conceitua um modelo educacional pautado na compreensão dos direitos humanos, com o objetivo de reconhecer e valorizar a diversidade como condição humana. Ao ponderar tais colocações, é possível fomentar que, para uma formação plena do aluno surdo se faz necessário garantir o direito à igualdade de ensino, o que pressupõe conhecer suas necessidades específicas e as implicações no atendimento educacional, para realmente assegurar a presença, a participação e o sucesso no ensino profissional e tecnológico. Isto posto, é necessário que a escola se prepare para receber o aluno, pois só assim poderá prestar um atendimento educacional de qualidade. Nesse trabalho realizamos o Estudo de Caso embasado em documentos oficiais, e literatura das áreas da educação e da linguística. Os instrumentos utilizados para análise foram o questionário, enviados aos servidores e a entrevista, realizada com um aluno surdo. Os questionários apresentam respostas favoráveis à inclusão de alunos surdos, mas o resultado da entrevista é negativo, o que revela uma discrepância em relação ao discurso pronunciado e a atuação na prática escolar cotidiana.


Palavras-chave


Educação Inclusiva; Educação Profissional; Educação de Surdos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19123/eixo.v1i2.24